domingo, 25 de setembro de 2016

Poesia jurídica: Delação Premiada

Nesta poerídica (poesia jurídica) ressalto minha opinião sobre a situação de quem vive um relacionamento em que não existe mais o amor por uma das partes.

Se a pessoa não ama mais seu companheiro(a) e continua em uma relação meio que "forçada", tendo já tentado de tudo para reverter a situação, mas as tentativas não foram bem sucedidas, neste caso, então, é melhor admitir esse "vazio" para ele(a). Melhor não esconder. Para isso, pode aproveitar os benefícios da "Delação Premiada" e facilitar a investigação que já se iniciou (pois seu companheiro(a) certamente já suspeita de algo, que o romance já não é como antes).

Delação Premiada


A sua vida amorosa
está sendo investigada.
Colabora.
Confessa.
Joga na minha cara
o que você sente
por mim.
Diz a verdade.
Sem medo.
Vai ser melhor
assim.

Como delatora
você será protegida
e poderá ganhar
o perdão judicial.
Como infratora
você será esquecida
após eu suportar
a decisão final.

Rafael Clodomiro


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário